Poeta das Flores,

Em resposta ao seu lindo poema, tenho que confessar que tentarei fazer com que minhas palavras sejam tão belas quanto as suas, talvez meus mais puros e deliciosos sentimentos apareçam ao pé do seu ouvido, ou na ponta de uma caneta ao escrever uma carta de amor. Mas, permito-me uma réplica à sua forma de amar.

"Até nossa sombra é feliz!" Eu e ele, ele e eu: nós quatro!
Permito-me acordar todos os dias do seu lado e sussurrar no seu ouvido um “Bom dia meu amor!”. 

Deixo você me levar para lugares desconhecidos, fazer loucuras, fechar meus olhos e guiar-me até a lua. Permito-me também, me embebedar de vinho, dançar no meio da multidão contigo, ouvir as batidas do seu coração.

Me gire até ficar tonta e só pare quando eu gritar de desespero!

Durma no meu colo, aperte a minha mão.
Sinta o meu coração...

Deixe-me sentir ciúmes, escreva todos os poemas, componha músicas e se lembre de mim a todo instante.
Tire muitas e muitas fotos de nós dois e guarde-as na caixa da saudade, para mostrá-las aos nossos netos.

Oh meu bem, faça parte do meu mundo, independente do mundo lá fora.
Vamos descobrir juntos vários lugares, desvendar sentimentos, acabar com meus medos, rir das minhas piadas mais tolas. Venha me ensinar, me fazer crescer.

E sim, segurarei sua mão e seguirei contigo...
Permita-me te amar, eternamente...

Beijos da eterna amada!

quarta-feira, 21 de abril de 2010 Posted in | | 2 Comments »

One Responses to "Carta ao Poeta das Flores"

  1. Murinho says:

    Oh meu bem, faça parte do meu mundo, "independente do mundo lá fora".
    Só para constar... também tenho um mundo no qual tento viver. Passo grande parte do tempo neste mundo, mas não por ter medo do mundo lá fora e sim vergonha.
    Bj. Adorei seu trabalho!

  1. Rodrigo Fukunaru says:

    Sua sensibilidade me emociona!
    Sua visão do mundo e dos momentos...,é sempre mais bela, mais leve, mais romântica!
    Amo muito tudo issoooo!!!

    Parábens!
    Bjus mil

Write a comment